UMBANDA


"Onde há fé, há amor. Onde há amor, há paz. Onde há paz, há Deus. Onde há Deus, nada falta."

A umbanda, também conhecida como embanda e magia branca, é uma religião brasileira, cuja evolução a partir do sincretismo religioso existente no país (principalmente a partir das religiões afro-brasileiras e do kardecismo)1 foi resultado de motivações diversas, inclusive de ordem social, que originaram um culto à feição e moda do país.

Etimologia
"Umbanda" e "embanda" são oriundos da língua quimbunda de Angola, significando "magia" , "arte de curar". Já os autores de vertente esotérica fazem alusão ao sânscrito, a partir da junção dos termos Aum e Bandha, significando o elo entre os planos divino e terreno. A palavra mântrica Aumbandhan teria sido passada boca a boca e chegado até nós como "A Umbanda".

História
O sincretismo religioso no Brasil, ou seja, a mistura de concepções, fundamentos, preceitos, ritualísticas e divindades se processou num quádruplo aspecto: negro, índio, católico e espírita, porque outros foram menos dominantes, ou superficiais e restritos a certas áreas. O marco inicial surge com a escravatura do índio feita pelos primeiros colonizadores portugueses no Brasil. Entretanto, o aborígene, pelas suas características de raça, de elemento da terra, conhecedor das matas, espírito guerreiro exaltado, tendo a liberdade como apanágio de toda sua vida, não aceitou o jugo da escravidão. Tinha, contudo, uma crença no espírito e suas religiões. A influência do índio contribuiu para a formação da umbanda fornecendo elementos da sua mitologia e cultos, tais quais a pajelança, o toré, o catimbó, entre outros. Ademais, o caboclo, mestiço do índio que incorporava em suas manifestações, foi consolidado na prática umbandista.

O colonizador português, portanto, foi buscar, nas terras africanas, o elemento negro, o qual oferecia condições mais favoráveis para os misteres da lavoura, já conhecidos nas regiões de origem. Desse modo, houve um circuito branco-índio-negro que contribuiu sobremaneira para o complexo da formação brasileira, nele ressaltando, como uma constante, a religiosidade em vários aspectos. Na época das senzalas, os negros escravos costumavam incorporar o que se conhece hoje como pretos-velhos, antigos escravos, que ao se manifestarem, compartilhavam conselhos e consolo aos escravos. O sincretismo católico, produto da simbiose dos cultos de escravo e escravocratas no Brasil, chegou a tal ponto que se cultiva um orixá com nome e imagem do santo católico, não se podendo diferenciar em certas exteriorizações onde começa um onde termina o outro. São flagrantes os casos de São Jorge, Ogum, Nosso Senhor do Bonfim, Oxalá, São Cosme e São Damião, Ibeji, e Santa Bárbara, Iansã. Não raro, muitos chefes de terreiro mandam rezar missas e se declaram também católicos, além de haver um grande número de praticantes que frequentam as duas religiões. Houve, portanto, uma consolidação do santo católico, admitido já sob o aspecto de espírito superior, de guia-chefe ou como orixá, enquanto os candomblés procuraram mais se distanciar do sincretismo e não aceitar as imagens.

O primeiro relato histórico, segundo Cavalcanti Bandeira, cabe a Nina Rodrigues, falecido em 1906, quando já estava quase pronta a impressão do seu livro Os africanos no Brasil, referente aos estudos feitos entre 1890 e 1905, nos quais consta a descrição de um ritual praticado na Bahia, o mais semelhante da Umbanda atual, que é o seguinte:

Entre os casos que poderíamos citar, tomamos por sua importância à pastoral de um Prelado Brasileiro ilustre a descrição eloquentíssima do Cabula, por ele estudada, que mais não é do que uma instituição religiosa africana sob vestes católicas.

— Diz João Corrêa Nery:

A cabula: houve alguém que disse ser grande e mais prejudicial do que pensamos, a influência exercida pelos africanos sobre os brasileiros. Parece mesmo que muito se tem escrito nesse sentido. Em certa região de nossa Diocese, tivemos, em nossa última excursão, oportunidade de observar a verdade desse asserto. Encontramos três freguesias largamente minadas por uma seita misteriosa que nos parece de origem africana. Nossa desconfiança mais se acentuou, quando nos asseveraram que antes da libertação dos escravos, tais cerimônias só se praticavam entre os pretos e mui reservadamente. Depois da lei de 13 de maio, porém, generalizou-se a seita, tendo chegado, entre as freguesias, a haver para mais de 8.000 pessoas iniciadas. Bem que agora esteja privada dos elementos mais importantes, que infelizmente possuiu outrora, ainda encontramos crescido número de adeptos. O tom misterioso e tímido com que nos falavam a seu respeito e a notícia da grande quantidade de iniciados ainda existentes, nos levaram, não só a procurar do púlpito invectivar essa tremenda anomalia, como também a tomar algumas notas que oferecemos à consideração e ao estudo dos curiosos. Graças a Deus nosso trabalho não foi inútil. Tivemos a "consolação" de ver centenas de cabulistas abandonarem os campos inimigos e voltarem novamente a N. S. Jesus Cristo, ao mesmo que tempo que, de muito bom grado, nos forneciam informações sobre a natureza, fins da associação que pertenciam. A nosso ver a Cabula é semelhante ao Espiritismo e à Maçonaria, reduzidos a proporções para a capacidade africana e outras do mesmo grau. Em vez de sessão, a reunião dos cabulistas tem o nome de mesa. O chefe de mesa é chamado de embanda e é secundado nos trabalhos por outros chamados cambones.

Para ler mais sobre a Umbanda clique aqui na Wikipédia


UMBANDA É:
Amor e Caridade
É a religião que esta à frente dos tempos!
A manifestação de espíritos para a caridade;
Aprender com os mais evoluídos e ensinar aos menos evoluídos;
Acima de tudo trabalho espiritual;
Fé, amor, conhecimento, justiça, lei, evolução e geração;
Sinônimo de curador, sacerdote e médium;
O templo onde habita Olorum e seus Orixás, junto de nós e nossos guias

NÃO É UMBANDA:
Trabalhos espirituais financeiramente cobrados
Matança de animais, sacrifício e uso de sangue
Assédio sexual e comportamento promíscuo
Falta de moral e desrespeito aos que procuram ajuda espiritual
Trabalhos de amarração e outros similares
Promessas de milagres e soluções materiais mirabolantes
Atalhos para evolução e iluminação sem trabalho espiritual